Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Balneário Camboriú poderá ter o primeiro porto de transatlânticos do Brasil

 

 

 

Pela primeira vez o Brasil recebe um projeto de porto exclusivo para passageiros. O local escolhido para sua construção foi Balneário Camboriú (SC), um dos principais destinos turísticos do estado. O contrato de concessão foi assinado entre o BC Port, porto de transatlânticos que leva o nome da cidade e o governo federal.

A expectativa é que o empreendimento atraia 300 mil turista por ano, 120 mil só de estrangeiros, de pelo menos 5 navios de cruzeiro que passam pela costa brasileira. As companhias esperam operar a chamada “Rota do Fim do Mundo”, passando por Balneário Camboriú com destino à Patagônia.

O primeiro projeto para instalação do BC Port foi orçado em R$ 312 milhões, valor que pode sofrer alterações. O financiamento dos novos terminais deve ser feito via BNDES. Esse projeto será o primeiro de uma série de 15 instalações portuárias de turismo que o governo federal pretende instalar no país.

 

 

Os números do retorno econômico são atraentes, até porque afeta toda a região. Para você ter uma ideia, o valor arrecadado durante a temporada 2018-2019 no estado foi de aproximadamente R$ 2 bilhões. A expectativa é dobrar esse número com a novidade.

Mas a decisão do governo federal não agradou o prefeito de Balneário Camboriú. A preocupação é com o impacto ambiental e de trânsito à região da Barra Sul, apesar do contrato de concessão não prever autorização da prefeitura.

O prefeito não deixa de ter razão, afinal a praia mais famosa no sul do país tem um charme natural e um trânsito cada ano mais caótico. Como ignorar isso e só levar em conta o aspecto econômico? Melhor que todas as “pontas estejam bem amarradas”.

Por enquanto não há previsão para projeto entrar no Plano Diretor. Além de tramitar como projeto especial, teria que passar por novas audiências públicas e ter o aval do Conselho da Cidade.

Posts relacionados

Top